27 dezembro 2013

Da Transição ao Big Chop, por Carine Oliveira



Olá leitoras do Cabeleira crespa, meu nome é Carine Oliveira, tenho 19 anos, escrevo no Blog Carmelitas (aqui) e fiz meu Big Chop após 5 meses de transição, no dia 15/12/2013 no evento BC Coletivo, foi uma data super esperada, e eu vim aqui contar para vocês como foi a minha decisão, a hora do corte, e o pós:


A Decisão


Bem, eu não tomei essa decisão da noite pro dia, desde que comecei a transição, saberia que um dia ela teria fim, e que nesse fim eu poderia ficar de cabelo curto, então quanto a isso eu não estava muito preocupada. Desde o início eu tinha a ideia cortar no ombro em dezembro, fiquei com essa ideia até mais ou menos o 3º mês de transição, foi aí que comecei a pensar, e eu fui pela lógica, que eu deveria aproveitar as férias da faculdade para acabar logo com isso, eu não conseguia me imaginar de férias na praia e com aquele cabelo horroroso em transição, iria ser um sufoco, se caso eu cortasse em dezembro, eu teria um tempo de cuidá-lo e ainda iria ficar livre em janeiro, sem me preocupar em ficar pensando qual a solução eu arranjaria para as duas texturas. Outro fator que me incentivou, foi o fato de eu descobrir que se poderia doar cabelo com química para crianças com câncer, ao saber disso, e convicta de que eu já queria cortar por todos os outros motivos, eu marquei a data para dia 15 de dezembro, que além de ser a data do BC Coletivo das meninas em transição, seria a data mais fácil para mim.



Comunicando para Pais e amigos


Desde que comecei a transição, procurei não comunicar pra muita gente, só contei para pessoas próximas, e deixei o tempo passar até outras pessoas começarem a perceber algo de diferente, lá pelo meu 3º mês, eu ja comecei a contar para mais pessoas, mas mesmo assim ainda muito restrito á alguns, era um assunto que eu não gostava de ficar falando por aí, até porque nem todo mundo tem a mesma opinião, e certamente alguns iriam me criticar. Quando decidi cortar, contei apenas para minha irmã e minha prima que me apoia na transição, lá pelo 4º mês, eu já revelei para outras amigas próximas, e se limitou aí. Restava apenas meus pais saberem, e era um momento crítico porque eu tinha convicção que nenhum dos dois iriam apoiar, decidi contar apenas na semana do corte, até pra evitar que eles ficassem fazendo comentários que fossem me desmotivar, enfim chegou o grande dia de falar, primeiro contei a minha mãe, ela ficou totalmente em choque, e totalmente contra, no mesmo momento e coincidentemente meu pai chegou em casa e peguei carona na conversa e falei pra ele também , em primeiro momento ele apenas falou 'cabelo cresce', mas creio que ele falou isso por não ter noção do tamanho que iria ficar.


Marcando data, hora, e lugar


Eu queria muito que fosse um momento especial. De começo, tinha pensado em cortar eu mesma sozinha em casa, mas havia chances enormes de eu fazer buracos na minha cabeça ao invés de um corte bonito, daí começou uma reunião no grupo Cacheadas de Maceió, onde a Débora(que também ia fazer o bc) deu na ideia das meninas que iriam cortar, cortarem juntas já que era no dia do BC coletivo, adoramos a ideia e eu logo queria participar, e como um dia antes(dia 14) eu estaria em maceió para fazer uma prova, eu dei um jeito de ficar o dia 15 também e assim cortar com as outras meninas, a Tamires organizou tudo, arrumou o local, que foi no Coletivo AfroCaeté , e em um consenso marcamos o corte para ás 9 horas da manhã.



O grande dia do grande corte


Um dia antes, a noite, começou a me bater um indecisão, comecei a ficar nervosa, porque eu sabia que depois que cortasse não teria mais volta, cheguei até a chorar, pensei pela milésima vez nos prós e contras, e em meio de tanta indecisão, ouvi palavras belas e incentivadoras de alguns amigos. No grande dia, eu acordei feliz e ao mesmo tempo com uma pontinha de medo, após sonhar com o temido corte, no sonho todos gostavam e eu ficava linda, será que aquele sonho se realizaria? me arrumei, prendi o cabelo, coloquei um lenço, brincão, e óculos escuros, e eu estava decidida. Ao chegar no local, conheci a querida Tamires, que aliás é muito gente boa, e se começaram os preparativos para o corte, na minha frente estavam minha mãe e minha mãe me olhando com a maior cara de 'não acredito que ela está fazendo isso' , assim fazendo meu medo voltar, me deu mais uma crise de choro, uma mistura de felicidade com indecisão, pedi para a Tamires cortar primeiro o pedaço para a doação, e assim que ela deu a primeira tesourada, eu ali aos prantos pensei: 'agora não tem mais volta, seja bem vinda vida nova' , enxuguei minhas lágrimas, abri um sorriso, e me joguei na decisão, não me arrependi e nem me arrependo, nasci de novo, e foi a melhor coisa que já fiz. Vamos parar de falação e acompanhar as fotos (que por sinal, estão assustadoras de tão horrorosas kk):


Esse é meu antes, cabelo longo e raiz visivelmente alta.


Logo no começo, eu com minha cara de choro, e após a primeira tesourada da Tamires.

Ela fez um pré-corte, pra tirar o excesso do liso

Aqui, ela molhou um pouco, e começou a tirar o resto do liso.

E tudo isso de cabelo saiu de mim, e está indo diretamente fazer alguma criança feliz!


E finalmente o resultado, aqui foi um dia depois do corte.



É inexplicável a felicidade que eu estava sentindo, finalmente era eu mesma!


O pós-corte e reação das pessoas


Assim que o corte acabou, meu cabelo tava totalmente ressecado e indefinido, nada se compara a esta foto acima, estava horrível, logo quando eu saí do local e meu pai me viu, ele fez uma cara de espanto e não falou nada, mas eu sabia que ele não tinha gostado, foi tudo muito assustador no começo, mas hoje em dia eles já estão se acostumando. Logo após o corte, eu fui ao shopping comprar algumas coisas que combinassem com meu novo estilo, e de cara, eu me vi rodeada de olhares de desaprovação, mas eu realmente não liguei, levantei a cabeça e fingi que não estava vendo. Voltei pra minha casa no interior, no dia seguinte já postei a foto do resultado no fecebook e no grupo Cacheadas em Transição, e logo em seguida começaram aparecer muita gente me perguntando o porque daquilo, e juntamente com elogios, e palavras de apoio, por incrível que pareça muita gente gostou, muitas pessoas que eu nunca vi na vida me adicionando, talvez seja apenas curiosos para saber o porque do corte, muita gente veio me perguntar, e eu respondi educadamente, essas mesmas pessoas desconhecidas, que até então eu nunca tinha visto na vida, vieram me elogiar via bate-papo, como eu não poderia ficar feliz com elogios de desconhecidos? após tratar meu cabelo e arrumá-lo, os olhares na rua começaram a se diversificar, não eram mais apenas de desaprovação, um olhar de elogio e admiração começou a surgir, e junto com isso a minha felicidade e a certeza de que estava fazendo a coisa certa foi crescendo.



Os dias seguintes ao corte

Como não se desesperar com o ressecamento pós corte? Eu já sabia que quem fazia big chop ficava com o cabelo ressecado, e ele só começava a definir semanas depois, então começou a minha saga contra ele, comecei a seguir o cronograma direitinho, e sinto cada dia ele melhorar. Outra fato desesperador era não saber finalizar aquele cabelo tão curto, enfim.. está sendo uma semana de grade aprendizado e redescobrimento.

Visivelmente ressecado

Ressecamento + frizz


Pouca definição, e muito ressecamento (essa foto foi no dia do corte, o cabelo já hidratado e seco)


O único cachinho definido, lindoo *-*
3 dias depois..

A definição está melhorando, e percebi que já cresceu um pouco!


Minha Conclusão de tudo isso

Descobri que é legal ser diferente, que é legal ser a única de cabelo curto e cacheado no meio da rua, da família, e entre amigos. Que desapegar não é o fim do mundo, que a liberdade está mais perto do que você imagina, que enterrar o passado é preciso, que tomar decisões são difíceis e determinadoras, que em um segundo eu posso ser um pessoa, em dois segundos eu viro a pessoa. Descobri que receber críticas nem sempre é tão ruim, e que absorve-las ou ignorá-las é um forte. Descobri que preconceito é muito além de cor, raça ou religião, que nossa sociedade é bem mais preconceituosa quanto eu imaginava, e que abrir mão de coisas boas é preciso para conseguir outras bem melhores. Enfim, eu me considero duas pessoas, uma antes e uma depois do big chop, um novo ciclo começou, um ciclo de redescobrimento, e eu não apenas mudei o cabelo, estou mudando tudo, meus pensamentos e meu jeito, pra melhor, claro. A dica que eu dou para as meninas que estão em dúvida, é que pensem muito bem, eu que estava tão decidida ainda fiquei na dúvida no dia, imaginem vocês que estão indecisas, faça quando se sentir pronta, não faça nada no impulso para não se arrepender, mas se você como eu, está super decidida quanto á isso, se jogue e vá ser feliz, a sensação de liberdade é maravilhosa, se encha de personalidade e vá em frente. 

Esse post ficou enorme, mas bem explicativo, do jeitinho que eu queria, e por ultimo queria agradecer á Tamires por tudo e pelo corte lindo! 

Linda, muito obrigada!

p.s. Interessadas em doar cabelo para a confecção de perucas para crianças com câncer, entre em contato com a Cabelegria , lá eles vão te dar todas as informações de como fazer a doação, e a quantidade de cabelo que é preciso. 

É isso queridas leitoras do Cabeleira crespa, espero que tenham gostado da minha história, e que ela sirva de inspiração para muitas que estejam na mesma situação, sejam fortes e não desistam, porque tudo vai chegar na sua hora certa! Obrigada, beijão! 

Carine Oliveira

19 dezembro 2013

Condicionador Sublime Oil - Matrix



Olá crespinhas e cacheadas, :D hoje vou falar sobre um produto que comprei, testei e gostei, é um condicionador totalmente liberado para no e low poo !!  Fiquei contente, não é tarefa fácil garimpar produtos liberados para no poo também. O shampoo da linha tem sulfato (peninha !) a máscara não tive oportunidade de checar a composição e nem de comprar.

Trata-se do condicionador da linha Sublime Oil, da Matrix, este aqui:


O que diz o rótulo: 


FRENTE:
Matrix Biolage - Sublime Oil - Moringa Oil Blend - Condicionador Extra Cremoso com Óleos - Renova todo tipo de cabelo sem deixá-lo pesado.

ATRÁS:
Biolage Sublime Oil com sua fórmula enriquecida com óleo de Moringa ajuda a renovar os cabelos sem deixá-los pesados. O cabelo opaco volta á vida, com um brilho multi-dimensional.

O Condicionador Extra Cremoso de Biolage com óleos de Moringa e Damasco ajuda a recuperar o brilho e a disciplina dos cabelos, facilitando o desembaraço e condicionando-os intensamente, sem deixá-los pesados.

Minha experiência:


Minha intenção ao comprar este produto era obter mais uma opção para finalizar, eu costumo finalizar com condicionadores também, não somente com leave ins, dependendo da necessidade do cabelo no momento, um condicionador funciona melhor.

Ele se mostrou ser bastante fluido, consistência média, não é um creme duro e nem aquoso, odor doce e meio enjoadinho, como a maior parte dos cosméticos capilares atualmente, muitos tem esse odor, mas o cheiro não fica no cabelo não, após secar, não se nota o cheirinho, não tem risco de "brigar" com nosso perfume.


É facilmente distribuído de maneira uniforme pelos fios, hidrata e nutre
muito bem, para quem tem cabelo como o meu que ama produtos mais nutritivos, é excelente. Meu cabelo ficou muito macio, cara de hidratado, cachinhos definidos, o resultado foi bom demais.



Agora, vamos ao que interessa meninas, aqui vai a COMPOSIÇÃO:

 Aqua / Water, Cetearyl Alcohol, Behentrimonium Chloride, Stearyl Alcohol, Cetyl Esters, Isopropyl Alcohol, Methylparaben, Glycerin, Prunus Armeniaca Kernel Oil / Apricot Kernel Oil, Citrus Grandis, Grapefruit fruit water, Linalool, Benzyl Salicylate, Limonene, Chlorhexidine Dihydrochloride, Benzyl Alcohol, Butylphenyl Methylpropional, Hexyl Cinnamal, Citric Acid, Citronellol, Moringa Oleifera Seed Oil, Alpha-Isomethyl Ionone, Parfum / Fragrance D54548/1. 


Vou falar sobre alguns destes ingredientes, os que considero mais interessantes.

A fórmula contém álcoois graxos (álcoois lipídicos) -
Estes álcoois são são derivados de gorduras e óleos naturais (lipídios), originários de plantas, mas também sintetizados em animais e algas. São utilizados na indústria cosmética como emulsificantes, espessantes e emolientes.

Prunus Armeniaca Kernel Oil - (Apricot Oil) - é o óleo de damasco, extremamente hidratante, doador de maciez.




-- "O cabelo vai ficar macio, Preciosa ! " 







Citrus Grandis - é um fruto cítrico, o pomelo, é muito grande, pode pesar de 1 a 2 quilos. Olhem só o tamanho ! o.O









Grapefruit fruit water - não é o suco da grapefruit, é a água onde ela foi mergulhada, uma água de fruta, uma infusão.




Moringa Oleifera Seed Oil - finalmente, o tão falado óleo de semente de Moringa, um óleo leve e de fácil absorção, contém vitaminas A, B, C e E. Contém propriedades anti envelhecimento.








Citronellol - é um monoterpeno acíclico natural. Encontrado nos óleos de citronela, rosas e gerânio.

Produto excelente, pode usar até como máscara, com essa composição, vai dar conta do recado, pode turbinar também, recomendo !


Por hoje é só, beijinhos e até a próxima !!  :* 

~ Andréa ~



17 dezembro 2013

cabeleira crespa - 1 ano de aniversário



Cabeleiros crespos da Tam! xD O blog está de volta!!! #MuitoFeliz E o melhor: comemorando 1 ano de aniversário! *----*


Sábado foi o nosso aniversário de 1 ano e lembro como se fosse hoje: 14 de dezembro de 2012, eu acordei e disse que ia fazer um blog. Não aguentava mais guardar só pra mim todas as descobertas de estar cuidando da minha 'raiz aérea'! É como sempre digo: a gente se cuida pra fora e descobre um mundo pra dentro. Cuidar dos nossos cabelos não é só isso. É muito além! Mergulhamos na nossa história e ao nos apropriar das raízes de onde viemos, espelhamos isso, nos amamos mais, temos orgulho e isso nos impulsiona a lutar pelo espaço no mundo que pertence a todos e que está tão mal distribuído... É um espelhar que a gente transmite nesse caminho pela identidade. Identidade mista, não é mesmo? Identidade furta-cor! 

Eu quero agradecer primeiro a vocês por terem esperando esse tempo em que o blog está fora do ar. E que são quem nos acompanham! Pelo carinho das meninas que deixaram mensagens falando da importância do blog pra elas e dizer o quanto isso me deixa orgulhosaEu nunca pensei que fôssemos criar tantos laços! Eu que tinha feito um blog para minha cidade Maceió, me surpreendo a cada pessoa longe que se comunica com a gente. O que mostra o quanto esse espaço é nosso! =)


Meu segundo agradecimento é ao querido Pedro Lucena, que nos presenteou com essa bela arte para o blog! Ter sua ilustração no cabeleira crespa é a realização de um sonho. Me emociono com sua obra e quando ele me enviou o esboço, ainda em preto e branco, as lágrimas não resistiram. Sua arte me transmite uma felicidade incrível e esses traços da cacheada que tem seus cabelos como raízes bem sabemos o quanto nos representa e nos reafirma! #Orgulho (aqui)

Ao meu amigo e design Alex Walker que me deu a maior atenção e apoio e fez o trabalho final para que eu entregasse o blog a vocês de novo. (site aqui)

A Erika Nash, do "club do cabelo e cia", com quem sempre conto para um apoio. E a "carmelita" Carine Oliveira também. Sempre bom ter blogueiras parceiras com quem podemos desabafar nossas lamúrias das dificuldades com o blogger. rs 

Um agradecimento especial às minhas blogueiras Andrea Machado e Fernanda Sabia, que estão comigo no dia-a-dia concedendo valor às postagens semanais e fazendo-o com maestria! Sou muito grata pela minha equipe! Um abraço apertado em agradecimento a flor Simone Miranda que ainda esse ano passou por aqui, contribuiu com o blog e muito nos divertimos. ^_^
Por fim, obrigada a vocês de novo! Esse é um momento muito, mas muito emocionante mesmo e eu nem sei como estou conseguindo organizar as palavras pra esta postagem! Eu só tenho a dizer obrigada mesmo: obrigada, obrigada e obrigada! Curtam o blog novo, estejam com a gente e xero nos cachos!

Tamires ~

10 dezembro 2013

Encrespa Geral - Projeto Consciência Crespa

 Hoje separei uma discussão que tem me deixado muito orgulhosa nessa caminhada de blogueira, de assumidamente crespa, de pessoa que observa o mundo ao redor mas sonha com algo melhor para ele.
É sobre o Encrespa Geral, um evento que passou de um encontro de cacheadas do Brasil, foi pra fora do país e tem muito, mas muito significado e tem renovado a minha crença num mundo melhor.
É que essa coisa de blog, vlogg, grupos no facebook tem muito mais sentido e força do que a gente imagina. E eu vou mostrar uma parte do porquê...
Como convidada, temos a flor Eliane Serafim, a idealizadora do evento para uma postagem-entrevista conosco. Aliás, uma entrevista pra lá de divertida porque vocês não tem ideia do quanto essa moça é uma linda e fofa! Mas vão ver: #VemComAGente

"Ainda que nosso trabalho seja pequeno, ele está fazendo bem a várias pessoas. Consciência, auto-estima, união, tudo isso muda o mundo ao nosso redor. Vamos trabalhar, não adianta sentar e chorar. A união traz a força, a força quebra barreiras." Eliane Serafim

cabeleira crespa -- >> Como surgiu a ideia do Encrespa Geral? E qual a motivação?

Eliane: Essa minha ideia começou por conta da movimentação do pessoal devido ao aumento das passagens, lembra? "Não é por R$0,20"? Então, eu já tinha no grupo Amigas Cacheadas o "Projeto Amigas Cacheadas Na Estrada", mas a gente não tem dinheiro pra viajar, não temos patrocínio. E vendo as fotos das manifestações eu pensei: temos pessoas que nos acompanham, porque não tentar? Daí veio a ideia. Eu convidei umas 03 pessoas de ínicio, mas comecei a receber mensagens de outras que queriam participar.
A minha ideia foi de tentar fazer um trabalho que fosse acima dos grupos, onde as pessoas realmente se unissem e eu pensei o seguinte: se a gente conseguir colocar 10 pessoas em cada encontro será um marco,
uma coisa inédita. Aqui em São Paulo foram mais de 80, isso porque estava chovendo! Mas a ideia começou exatamente assim.

cabeleira crespa -->> Vimos que a organização toda se deu no grupo Encrespa Geral, criado no Facebook por você que já é uma das administradoras do grupo Amigas Cacheadas. Essa ferramenta enquanto meio de organização para um encontro desses, você acha que tende a expandir o sentido desse movimento?

Elaine: Com certeza. Temos pessoas que são formadoras de opiniões, pessoas que querem mudar, ter o direto de se reconhecer no espelho, pessoas que querem valorizar suas raízes concentradas nas redes sociais. Sim, o trabalho pode crescer e muito. O sentimento de valorização gerada em cada encontro, onde a gente sai do virtual e vai pro mundo real é de uma importância fantástica pra quem está com a auto estima baixa, cansado de ver coisas erradas e sofrer discriminação. É uma forma pacífica de dizer estamos juntos, pelo mesmo ideal, ainda que sejam por breves momentos, a emoção, a sensação de fazer parte de um todo te acompanha.

cabeleira crespa -->> Falamos "desse movimento" na pergunta anterior, porque o Encrespa foi uma movimentação que passou até do Brasil, chegando à Flórida (EUA). Mas você acha que a Transição Capilar, como um todo, a atitude de um BC, os blogs, vloggs, fóruns... Pode ser considerado um Movimento Político?

Eliane: Pode sim. A partir do momento em que você muda um comportamento, isso te faz enxergar outras coisas. Ou seja: o cabelo natural te leva a avaliação do racismo, que existe de forma velada, mas que fica ainda mais explícita quando você usa black power, e isso te leva a todas as questões sociais que envolvem esse tema e a nossa realidade social, gerada pela política é questionada sim. Os assuntos acabam relacionados. Eu acho que fórum, blog ainda é encarado como: olha as meninas testam creme... Mas o papel de atuação está tomando um rumo muito diferente. As blogueiras, adms de grupo e fórum ajudam pessoas, e são formadoras de opinião. A gente sabe disso, o resultado do Encrespa mostra isso. E esse evento não foi feito só por mim, eu queria aproveitar pra agradecer a todas as organizadoras de grupos estados do Brasil a fora que fizeram esse evento acontecer. Eu acredito que a gente pode fazer um trabalho muito bacana em conjunto. Estamos num momento de crescimento, de questionamento de valores que favorece as mudanças. Talvez eu seja muito sonhadora, mas eu consigo enxergar isso.

cabeleira crespa -->> Eliane, observando o nosso país há 7 anos atrás, o tempo de uma geração, você acha que esse movimento tem ganhado mais espaço? Com o encontro do Encrespa que você foi, ouviu diversas pessoas envolvidas nesse Movimento e acompanhando os depoimentos nos grupos do Facebook, qual é a perspectiva?

Eu acho que as pessoas tem mais espaço pra se colocar, e estão começando a se conscientizar disso. O que não é fácil, porque somos uma geração com resquício de censura em função da ditadura militar. Parece que faz muito tempo, mas principalmente a minha geração carrega um pouco de ressaca ainda. As pessoas estão abrindo espaço pros debates e as redes sociais estão propiciando esse momento.
Portanto a perspectiva que eu tenho, é que isso vai crescer sim. As pessoas estão sentindo que podem escolher o seu caminho e essa é exatamente a mensagem que a gente quer passar.
Imagina, se você não pode escolher o jeito de usar o cabelo que nasce na sua cabeça, o que mais se pode fazer? Então a natureza é errada? É isso que eu vejo nos depoimentos. É simples, né? Porque as pessoas não podem enxergar com simplicidade? É por isso que a gente precisa se reunir. Porque a normalidade é passada a partir do momento em que aparecemos juntos mais vezes.
Afinal, normal não é o que se vê todo dia? Esse sentimento de normalidade precisa ser assimilado. A gente não é fashion, ninguém escolhe o tipo de cabelo quando nasce, somos pessoas normais, querendo ser respeitados por nossas escolhas, que simplesmente se resume em sermos do jeito que fomos feitos. Só isso. E daí que o meu cabelo cresce pra cima? Se eu sou trabalhador, uma pessoa do bem, que tem família, que tem boa índole, porque tenho que ser censurado?

cabeleira crespa -->> Fala um pouquinho dos dados, só pra aumentarmos o orgulho que o Encrespa nos trouxe? Foram quantas cidades? Quais os próximos passos do Encrespa Geral?

Eliane: Foram 16 cidades, eu só fui no de São Paulo. Primeiro porque o dinheiro não dava, e outra que eu estava muito ansiosa com tudo, eu fiquei dias acordada até de madrugada. Mas foi uma felicidade desde o evento de abertura até o evento de encerramento.
 Não tem mais volta mesmo! Já estamos mudando alguma coisa sim! Bom, eu sou uma pessoa de muitos sonhos. É o seguinte: Usar cabelo natural é escolha, e a gente só escolhe quando tem informação. Eu posto sempre isso no grupo (Amigas Cacheadas). Então a gente precisa espalhar informação e tem muita gente que não tem acesso à internet.
Então eu penso que a gente precisa partir pra palestra onde der, usando o material que a gente tem, fazendo vídeos de conscientização, hangouts... Enfim, a gente não tem patrocínio, então vai ser do jeito que a gente puder fazer, mas tudo isso estão nos sonhos pra 2014. E quanto a isso, estamos pensando em dois eventos pra este ano: um em Março, mês da Mulher e outro em Novembro, mês da Consciência Negra.
Mas isso é uma coisa boa quando o coração está desejando. Cabelo não é moda, ele está contigo todo dia.



Eliane Serafim é uma carioca que mora em São Paulo, 43 anos, Analista de Sistemas, mas trabalha como gerente de Projeto de Implantação de sistemas. É uma das encaracoladas no Blog Encaracoladas, criadora do grupo, fórum e comunidade Amigas Cacheadas e idealizadora do evento Encrespa Geral - Projeto Consciência Crespa.








Espero que tenham gostado da postagem, tanto quanto eu! Beijos e até a próxima... ;D
Tamires